Se você comprar um carro e não faz seguro, porque é otimista ao extremo e não acredita que possam bater no seu carro, roubá-lo, ou que você, num descuido, possa amassar um pouco a lataria…vão dizer, no mínino, que você enlouqueceu… “onde já se viu comprar um carro e não fazer seguro?”.

Mas se você é portador de uma doença grave e progressiva, que a medicina ainda não conseguiu curar, e você é otimista ao extremo e não acredita que possa precisar de cuidados de suporte, que amenizem o seu sofrimento ao longo do tratamento…não vão dizer nada. Porque as pessoas tendem a acreditar que se planejar diante de imprevistos com a própria vida significa ser pessimista, ser pouco esperançoso, etc…mas se antecipar diante da possibilidade de ter o carro roubado é aceitável? Pensar em receber cuidados paliativos é pensar em se proteger de possíveis desconfortos, e poder planejar com a segurança de saber que você está se dando a melhor assistência – aquela que cuida do ser humano em sua integralidade, e também cuida da família (trecho de palestra realizada em 2010 por Dr. Eduardo Bruera, , médico do Hospital MD Anderson, Texas-EUA).

Em um artigo publicado em agosto de 2010 na revista The New England Journal of Medicine foi demonstrado que pacientes com câncer de pulmão metastático que recebem cuidados paliativos precocemente apresentam menor índice de depressão e melhor qualidade de vida, sobretudo vivem mais tempo.

Cuidados Paliativos precisam ser bem compreendidos para serem usufruídos pelos pacientes e familiares. Dessa forma a vida é mais bem cuidada.